Materiais para EDUCAÇÃO ESPECIAL

Educação especial, seja em turmas de recurso ou em forma de inclusão, costuma ser algo difícil de adaptação para o professor, porque cada caso é um caso único, embora alguns transtornos consigam ter estratégias especiais que podem ser mais generalizadas.

Dos casos que me perguntam, o que acho mais fácil e mais difícil ao mesmo tempo é a Síndrome de Down. Geralmente, as pessoas já “acusam” que estão com uma criança Down em sala e querem saber quais atividades dar para ela, da loja virtual. O caso é que a Síndrome de Down é a mais fácil, porque basta saber a IDADE COGNITIVA da criança para poder indicar atividades, porque meramente ela irá responder a atividades que estejam de acordo com o desenvolvimento que teve até ali. Então, um Down pode ter, por exemplo, 7 anos, mas idade mental ( cognitiva ) de 2 anos, portanto, as atividades e recomendações serão as mesmas de uma criança de 2 anos. Do mesmo jeito, se for bem trabalhado, um Down pode ter idade biológica de 7 anos e cognitiva de 7 anos. Assim, irá acompanhar o restante da turma de sua idade e compreender bem, apenas precisando de que seu professor seja um pouco mais enérgico que o regular.

Tirando o caso dos Down, transtornos como DISLEXIA, por exemplo, que se caracteriza mais por dificuldades de leitura, possuem outras características que costumam ser comuns em maior ou menor grau a todos os que a possuem. Eu, particularmente, não considero a DISLEXIA algo tão de educação especial, mas há muitos que o fazem. Em meu trabalho, vejo mais como uma adaptação de aula. Veja algumas características da DISLEXIA que publiquei em minha conta do INSTAGRAM.

Além desta postagem no Insta, há ainda outras, que falam sobre o assunto e até dão dicas sobre como lidar e quais estratégias você pode usar. No site da LOJA VIRTUAL há algumas sequenciadas que estimulam e ajudam alunos com dislexia. Para ver os títulos, clique no banner a seguir.

 

Outro transtorno que costumo ter pedidos de materiais para desenvolver melhor os alunos é o AUTISMO. Neste caso, teremos dois tipos de casos… o AUTISMO “mesmo” e a Síndrome de ASPERGER. Vamos falar um pouquinho da ASPERGER… ela já foi desconsiderada como autismo e depois considerada novamente como uma forma de autismo. O caso é que a Síndrome de Asperger tem algumas características do autismo leve, mais referentes ao convívio social da criança e que trazem um comportamento diferenciado na criança. Atualmente, considera-se como autismo ( até o dia em que este artigo foi escrito, pelo menos… ) mas você poderá vê-la com outras denominações, porque é um incógnita para muitos. Eu, particularmente AMO trabalhar com Aspergers. Acho fáceis de lidar, porque se dão muito bem com rotinas fixas e respondem bem às atividades, sendo alunos de medianos para excelentes, especialmente com as matérias que mais gostam.

Já a criança com autismo é bem mais “fechada” para o mundo. Muito mais difícil entendê-la, porque é preciso que o professor compreenda, digamos a grosso modo, o “mundo em que ela vive”, ou seja, como ela é. Ela dificulta esta entrada no mundo, especialmente porque uma grande dificuldade é a comunicação oral com as pessoas. Para estas crianças, em especial, são recomendados recursos de autocontrole e lições com o que chamamos de livros adaptados. No site tenho alguns materiais que já fiz para este tipo de desenvolvimento e você poderá ver os títulos clicando no banner a seguir.

Já outros transtornos ou até comprometimentos mais sérios, precisam de atividades beeem diferenciadas, como a que explico em meu vídeo sobre como ensinar números, no YouTube, para crianças com dificuldades.

No geral, atividades que estimulam a CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA, por exemplo, em linguagem, ajudam tanto turmas regulares quanto as turmas com inclusão ou as salas de recurso. Claro que há também atividades que ajudam em vários casos e para todas elas eu tenho no site da loja um link especial, só com o assunto! Para ver atividades de EDUCAÇÃO ESPECIAL, clique no link a seguir.

Espero que tenha gostado do post de hoje! Até a próxima!

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *