GRÁTIS – Atividade do livro A ÁRVORE GENEROSA

Como estamos no ABRIL VERMELHO, dos VALORES HUMANOS, não poderia deixar passar o mês sem uma indicação de livro que traz à tona uma forte reflexão, com sua história emocionante.
Não vou falar de livros super conhecidos, pois como já sabe, não curto muito esses livros que todo mundo já conhece. Gosto de livros desafiadores, que trazem uma temática interessante e que têm grande potencial em sala de aula. Quando leio um livro, ele tem que impactar! Afinal de contas, sou contra ler por ler. É preciso ler para causar interesse, compreensão, envolver. Ler não deve se tornar uma obrigação em sala de aula, é preciso estimular o aluno a querer ler.

Confesso que não tenho uma lista gigantesca de livros que indicaria de olhos fechados para a sala de aula. Sou bem seletiva. Gosto de surpreender. Confesso também que já li por ler, porque na prefeitura tínhamos uma ordem da “Nutrição Literária”, na qual todos os dias tínhamos que ler uma história para as crianças. Esse ler por obrigação me levou ao ler por ler durante um tempo, até que me… rebelei… rsrsrs… e passei a ler só o que desejava e quando desejava. Isso significa que só lia para os alunos quando achava que o livro valeria a pena e eles poderiam realmente levar a história no coração. Envolver é o princípio número 1 da leitura para mim!

A postagem de hoje é sobre o livro A ÁRVORE GENEROSA, escrita por Shel Silverstein e que tem tradução no Brasil de Fernando Sabino. A editora responsável pela publicação aqui é a COSACNAIFY. Tudo pouco conhecido, né? Com exceção do Fernando Sabino, claro!

Então vamos conhecer um pouquinho o AUTOR! Shel Silverstein foi um autor americano ( faleceu em 1.999 ) que começou a desenhar aos 12 anos de idade. Chegou a fazer faculdade, mas desistiu devido às más notas. Costumava dizer que a faculdade tinha sido perda de tempo, pois queria mesmo era viajar e conhecer pessoas. E ele fez muito isso! Conseguia encontrar VALORES HUMANOS nos mais inusitados lugares e contava em suas histórias infantis os VALORES que encontrava, de forma bastante singular. Seu livro mais famoso foi A ÁRVORE GENEROSA, escrito e publicado em 1964.

Eu escolhi A ÁRVORE GENEROSA para a postagem de hoje, porque note que sou uma pessoa muito objetiva e pouco sentimental. Mesmo assim, ao ler A ÁRVORE GENEROSA fiquei tocada de forma bem profunda. Se eu me emocionei com a história, imagine o impacto que ela pode ter com os alunos! E teve!

Fiz a leitura em uma visita a uma escola, que me convidou para conversar com os alunos sobre o que é ser um autor e tudo o que envolve e montei uma atividade, que até o momento permaneceu INÉDITA. Sim, esta é INÉDITA, nunca tinha disponibilizado. Deixei na escola para as professoras utilizarem e ela teve um excelente resultado. O livro se tornou “queridinho” do corpo docente, porque realmente é algo fantástico o que Silverstein faz na história.

Impossível não se impressionar com a GENEROSIDADE da árvore, que por amor a um menino, se dá praticamente inteira a ele. Se você não conhece o livro, procure-o com afinco, porque a leitura vale a pena! Se não valesse, acredite, eu não indicaria.

O menino cria, no começo do ano, uma relação emocional com a árvore, ela se torna praticamente parte de sua vida a todo momento, se tornando uma amiga de todas as horas. Conforme o menino cresce, a abandona várias vezes, mas sempre que precisa, recorre a ela, que com sua generosidade, lhe dá o que pode, só para vê-lo feliz.

Antes de deixar a atividade que fiz ( que poderia ter até mais páginas, mas sei como o tempo de aula é curto, então preparei de forma mais sucinta, de modo que fosse dado em uma aula ), gostaria de falar algumas coisas que talvez passem despercebidas no livro. Tenho um olhar diferente para algumas coisas, e talvez isso possa lhe ajudar!

EVOLUÇÃO DE QUANTIDADE DE TEXTO – enquanto o menino é pequeno e mantém uma relação direta com a árvore, o texto é escrito em pequenos trechos, como se o tempo passasse devagar e acredito até que o autor tem a intenção de fazer o leitor se envolver na amizade entre o menino e a árvore, demorando mais nesta parte, que traz uma frase e um desenho, fazendo-nos pausar e refletir a cada virada de página. Quando o menino cresce, tudo fica rápido. O texto aumenta, quase a página toda de texto, na verdade. A intenção é mostrar só o momento em que o menino, agora homem, conversa com a árvore. Acho até que intensifica a solidão da árvore quando ele não está.

A  QUESTÃO  DO  CORAÇÃO – quando criança, o menino fez um coração na parte inferior do tronco da árvore. Em minha interpretação, acho que ele dá a impressão de a árvore se tornar humanizada com aquele coração. É como se ela fosse uma pessoa mesmo. Durante todo o livro, o coração permanece. Ao final, da árvore não sobra muito, pois ela se torna um singelo toco, mas a parte do coração permanece intacta, o que intensifica a impressão de que ela continua viva e pronta para ajudar o menino, mostrando seus VALORES HUMANOS até seu último suspiro. O coração nunca vai embora, enquanto ele está ali, ela está sempre pronta a ajudar. Há um outro coração que ele desenha, de sua namorada. Este ele não se importa de cortar, mas o da árvore, propositalmente, sempre fica com ela.

Se você tiver lido o livro, ou se conseguir um exemplar para ler, ficaria muito feliz com sua GENEROSIDADE em escrever o que achou nos comentários. Eu busquei trazer aqui minhas impressões de um livro que acho super valioso para usar em sala de aula e que serve desde a leitura em salas de alfabetização até para trabalhos com VALORES HUMANOS se estendendo de segundo até quinto anos. É um livro que não tem uma idade específica, tamanha é a carga emocional que traz.

Para contribuir com sua GENEROSIDADE ao comentar sobre ele, vou usar minha GENEROSIDADE e lhe fornecer, gratuitamente, as atividades que montei para o livro. Espero que goste delas e que tenha sucesso em aula com a história!

ARVORE GENEROSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *