PROFESSOR, evite ficar CANSADO! – Parte 1

No final do primeiro semestre letivo, escrevi um artigo chamado “Por que os professores ficam cansados?” e dei as três causas principais desse cansaço. Fiquei em dúvida se seria viável falar também sobre como combater esse cansaço, antes mesmo que ele apareça, mas muitos leitores pediram e aqui estou eu…

Caso você não tenha lido o artigo, é bastante interessante e explica bem os motivos de nosso grande cansaço em final de semestre letivo ( ou até antes… ). Para ler, clique no link https://professorajanainaspolidorio.com/por-que-os-professores-ficam-cansados/ ou na imagem a seguir.

prof.cansado

 

 

 

Como são três fatores e eu não quero cansar você …rsrsrs… com tanto texto, dividi em 3 partes as soluções. Nada mais justo! 3 problemas, 3 soluções, 3 artigos.

O primeiro problema, que é o tema deste artigo, é a DEPLEÇÃO DO EGO. Quando vamos trabalhar, começamos nosso dia com uma boa dose de força de vontade, que ao longo do dia vai sendo “minada” por decisões contrárias às que queremos. Vamos decididas a dar atenção ao aluno com dificuldades, por exemplo, e antes de chegar na sala de aula, recebemos alguns relatórios para preencher e devolver AINDA HOJE! Pronto! Foi-se um pouco da força de vontade e determinação. Isso acontece várias vezes e causa um cansaço gigantesco.

Não percebemos, mas pesquisas bem pontuais indicam que um professor que trabalha dois períodos lida com decisões que atacam sua força de vontade aproximadamente 1.500 vezes num único dia, mesmo sem perceber. Imagine o que isso faz com uma pessoa. É uma batalha muito árdua mesmo! Somos heróis e heroínas autênticos, só por nos mostrarmos prontos a fazer mais uma decisão!

E vamos ao que interessa! Para entender o que vem a seguir, entenda a força de vontade como um músculo que você possui. Desta forma, note que ela pode se fortalecer com o treino, mas também pode sofrer danos com o uso excessivo, o que é até perigoso.

PROFESSOR.CANSADO

 

 

Geralmente, conseguimos antecipar coisas que irão requere nossa força de vontade. Claro que algumas situações precisam de maior força de vontade que outras, e é por esse motivo que aprender a se preparar é fundamental! É como se você estivesse mesmo se preparando para uma batalha, mas de vontades. Se você já souber o que pode dar errado, fica mais fácil contornar as situações ou até desviar delas e você ficará menos cansada.

Se você sabe, por exemplo, que o horário que sai de casa tem muito trânsito, tente sair com 10 minutos de antecedência. Não é um montão de tempo antes e pode contribuir muito para você começar melhor seu dia de trabalho. Se não tiver que lidar com a situação de estar com pressa e ser impedida de chegar no trabalho a tempo por causa do trânsito, garanto que estará mais disposta ao chegar.

Embora eu tenha dado um exemplo de antes do trabalho, você pode aplicar o princípio a tudo o que fará no seu dia. Esteja sempre preparada para enfrentar problemas e decisões difíceis. Se você ficar, por exemplo, 10 minutos a mais na sala de aula e, antes de sair, deixar tudo arrumado o que vai usar no dia seguinte na aula, sua força de vontade irá agradecer, pois terá uma reserva maior dela no dia seguinte.

Eu mesma sempre tive o costume de chegar pelo menos 15 minutos antes na escola e deixar a lição prontíssima na lousa ou já entregue nas carteiras. Quando os alunos subiam, não tinham aquele tempo ocioso de começo de aula, eles já chegavam se preparando para a lição, pois ela estava na frente deles para já começar, seja no caderno ou na folha. Eu não tinha de ficar pedindo para abrir o caderno ou entregar folhas. Tudo estava lá e eles estavam acostumados com isso. Era ótimo para minha força de vontade, pois economizava demais minha reserva, uma vez que eu usava esse tempo inicial de lição para me dedicar a alguma aluno com maior dificuldade ou já checar as agendas.

Se você não curte muito um colega da escola ( sabemos que acontece… ) tente não cruzar muito com ele. Nosso trabalho na escola tem o objetivo de fazer com que o aluno possa aprender e ficar trocando opiniões de modo pouco sadio, com pessoas que sempre discordam com você não faz nada bem. Deixe a pessoa para lá e procure estreitar relações com quem tem acréscimos a fazer para você e seu trabalho. Evitar situações assim também fazem parte de um planejamento pessoal!

distrair

 

 

É nesse ponto que eu preciso citar a EXPERIÊNCIA DO MARSHMALLOW.  Para quem não conhece, é um teste bastante antigo até, criado em finais dos anos 60, como uma experiência na Universidade de Stanford. Há várias versões do teste e ele até se tornou atemporal, pois os comportamentos humanos dos participantes são muito similares, independente da época em que foi aplicado. Veja abaixo uma das versões, mas você pode encontrar inúmeras outras no YouTube!

Notou o dilema das crianças? É o mesmo pelo qual você passa inúmeras vezes em seu dia e se relaciona diretamente ao assunto que estamos tratando aqui. As crianças precisam tomar uma decisão difícil e ao ter que escolher uma das opções, a força de vontade diminui de alguma forma.

Achei legal colocar na dica de SE DISTRAIR, porque geralmente os que resistem a comer o marshmallow acabam encontrando uma distração, que os ajuda a tomar a decisão final. De modo inconsciente, eles podem se virar para não ver o doce ou focar o olhar no computador, sem nem olhar para o marshmallow, usando a distração própria para poder tomar a decisão. Desta forma, eles economizam sua força de vontade e tomam a decisão mais rápido.

Sabe o famoso “conte até 10”? É mais ou menos isso que estou tentando passar, mas de uma forma mais leve. Quando tiver um problema à frente, que sabe que irá consumir suas forças, talvez seja interessante, em um primeiro momento, resolver outra coisa que a distraia ou dirigir sua atenção a uma tarefa que se propôs a fazer naquele dia. Deixando o problema na espera, será mais fácil lidar com ele em seguida, pois estará mais calma para solucionar.

Uma outra solução ligada ao “distrair-se” está no direcionar o problema de forma diferente. Sabe quando o Zezinho fica fazendo aquele barulho insuportável com o lápis na carteira e, em lugar de ficar brigando com ele você vira para a Mariazinha e diz “Que bacana, Mariazinha! Adorei sua letra! Também, você segura a página com a outra mão, então o caderno fica bem firme, né?” Em lugar de ficar brigando com o Zezinho, você usa menor força de vontade focando em um comportamento positivo e incentivando o Zezinho a mudar o seu comportamento.

alternativas

 

 

Se você tem se sentido esgotada, é porque tem passado por situações que requerem muitíssima boa vontade sua. Se tem uma coisa que é preciso um uso tão grande de força de vontade, é o ato de suprimir sua personalidade, crença ou inclinação natural para ceder em alguma decisão.

Há um estudo até bem interessante sobre o assunto, no qual foi descoberto que esse tipo de autocontrole que acaba agradando outras pessoas causa um esgotamento terrível. É exatamente ele que leva à famosa depleção do ego. Quando as pessoas conseguem manter seus objetivos e desejos, mesmo que batalhando por eles, se torna menos desgastante, pois entra aí o sentimento de vitória, de certa forma, de missão cumprida. Pessoas agradáveis, no final, ficam em desvantagem nesta parte… infelizmente.

Na verdade, há uma alternativa para você, se estiver no rol das pessoas agradáveis que sofrem ou no rol das que são obrigadas a concordar por causa do ambiente de trabalho. Se você não pode dar uma opinião honesta, desconte em um bloco de anotações, por exemplo. Diga tudo o que tem a dizer, sem se refrear. Você verá que ficará muito aliviada.

Se você não puder resolver a situação a seu favor, de acordo com o que acredita, porque sabemos que nem sempre é possível, não se sinta derrotada! Anote seu ponto de vista ou a situação e deixe em um lugar privado. Um tempo depois, leia o que escreveu. Você vai perceber, com o tempo, que nem era tão vital assim ou então vai encontrar uma nova saída para resolver a situação.

Além de aliviar sua carga que vai contra a força de vontade, pois você terá, de certa forma, desabafado, ainda treina seu autocontrole, que é mega importante para economizar suas forças até o final do semestre.

Bem, sei que nem todas as dicas acabam sendo úteis, mas espero que tenha gostado de algumas delas, pelo menos e que eu tenha contribuído para ajudar você a ficar menos cansada neste semestre. Não precisa fazer tudo de uma vez, mas se propuser treinar uma das dicas, garanto que terá um bocadinho a mais de energia diariamente, só para usar da forma que quiser!

Espero que tenha gostado desta primeira parte do combate ao cansaço e até a próxima postagem!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *