QUERIA QUE MEU PROFESSOR SOUBESSE…

Lecionar não é uma tarefa fácil e com tantos avanços no “mundo real”, parece que a escola cada vez mais se distancia da tarefa de aprendizagem, cabendo a nós, professores, fazer uma aproximação e fazer jus a nosso trabalho, tratando do recurso mais valioso do planeta: o aprendiz.

PROFESSOR.1.fw

O aprendiz não pode esquecer suas motivações de aprendizagem, mas infelizmente é isso que acontece, muitas vezes. Nem sempre o problema está na escola ou no professor.

PROFESSOR.2.fwTodos os dias os alunos chegam à escola não somente com suas mochilas. Esses alunos não possuem um aparelho mágico que separa seus problemas e alegrias pessoais da sua vida na escola. Cada um deles possui uma vida inteira de memórias, pensamentos e sentimentos que impactam em seu desenvolvimento escolar, em sua aprendizagem. Como eu mencionei anteriormente, eles são aprendizes, precisam ainda aprender a lidar com situações, tanto na escola quanto fora dela.

PROFESSOR.5.fwConversando com uma colega minha, do exterior, que é professora, fiquei sabendo de um movimento interessante que começaram por lá e li um pouco sobre o assunto. O nome é “I wish my teacher knew…” – em português seria algo como “Queria que minha professora soubesse…” Durante a postagem, coloquei alguns banners com mensagens reais, desse movimento, para que compreenda melhor!

Na hora, lembPROFESSOR.3.fwrei de um cartaz que eu costumava usar muito em aula e que descrevo o trabalho com ele em meu livro publicado – Aula, os Segredos. Acontece que no caso desse movimento, iniciado por uma professora de terceiro ano de Denver, a proposta é diferente e atinge outros tipos de conteúdos, mais amplos.

É inegável que o relacionamento professor/aluno seja importante. Por que não usar a sala de aula para melhorar a aprendizagem, por meio de uma comunicação mais ampla e que seja capaz de, ao mesmo tempo, criar empatia e estreitar os laços entre professor e aluno?

PROFESSOR.6.fwSe pudéssemos entender como a realidade de cada aluno impacta sua aprendizagem, seria muito mais fácil lidar com alguns alunos, inclusive, tidos como difíceis de lidar. Li diversos depoimentos e  também falei com alguns professores que estão utilizando este simples recurso do “Queria que minha professora soubesse…” e realmente conseguiram resultados fantásticos em aula.

Acho importante dizer, contudo, que nem todos os alunos talvez se sintam à vontade para “confessar” algo que lhes aflige para o professor. Eles precisam ter certeza de que o professor possa cumprir com a confidencialidade, dependendo do caso. Há também os alunos que precisam que o problema seja compartilhado ou respondido. Por esse motivo, a proposta traz um papel com linhas para escrever e ainda dá a opção ao aluno se quer que o professor lhe escreva de volta, se quer que converse com ele ou se quer que compartilhe com a turma. Tudo vai depender do tipo de “confissão”. Veja a seguir o formulário da atividade e acompanhe, depois do formulário, como usar! Clique no banner para baixar o material.

PROFESSOR.4.fw

PROFESSOR.7.fwAntes de começar a trabalhar com o material, é preciso fazer um bate-papo com a turma, para conversar sobre a ficha. É legal já ter também uma caixinha, uma espécie de urna, onde os alunos possam depositar as fichas que escrevem. Converse bastante sobre as possibilidades para a atividade, estabeleça regras para o uso. Deixe claro que manterá confidencial o assunto, caso o aluno peça, na ficha. O nome do aluno é optativo também.

Claro que nem sempre será possível responder logo as fichas, mas estabeleça para si mesmo um dia para abrir a caixa ou levar. Assim fica mais organizado.

O material que você irá receber deve ser tratado com seriedade e responsabilidade. Seu aluno está lhe dando um voto de confiança ao entregar-lhe uma ficha. Imagine quantas situações haverá ali. É o menino que nunca fala em aula e que terá uma voz, a aluna que está passando por uma situação difícil em casa e não está conseguindo lidar, por isso suas notas baixaram, o aluno que sofre bullying em silêncio e tem medo de pedir ajuda, a aluna que precisa lhe contar o quanto acha sua aula fantástica, mas tem vergonha de fazer isso na frente de todos, o aluno que gostou de sua última lição e quer mais desse tipo.

Nota como o material é riquíssimo de detalhes e traz para você, prontamente, coisas que são invisíveis em uma aula comum? Muitas vezes dificuldades de aprendizagem podem ser resolvidas facilmente e você nem sabe. Ou seu aluno teve uma decaída e você não sabia o motivo para poder ajudar. Ou muitas outras tantas situações que acontecem por um único motivo: somos todos humanos.

Bem, espero que tenha gostado da postagem e da ideia e seria até legal estender o assunto… quem sabe amplio e faço um post do tipo “Queria que meu aluno soubesse…”  rsrsrsrs… aposto que haveria muito para contar também!

Se tiver alguma dúvida ou quiser saber mais sobre esse movimento, escreva nos comentários. Até a próxima!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *